Se você está cansada de ter que pintar as paredes toda vez que resolve mudar o visual da sua casa, os papéis de parede podem ser uma solução prática e acessível. Cada vez mais em evidência, eles têm tantas texturas, cores e estampas que fica até difícil escolher.

Por isso, nada melhor do que contar com a ajuda de especialistas! Geisa Cardoso, consultora de vendas e sócia da Casa do Papel de Parede e Decorações, e a arquiteta e decoradora Camila Klein tiraram todas as nossas dúvidas sobre esses verdadeiros “curingas”, capazes de dar vida nova aos cômodos. Confira!

Os tipos

Vinílicos: possuem esse nome porque são revestidos com uma camada de vinil, o que dá uma textura “plástica” ao material. Você pode limpá-los com detergente neutro, usando uma bucha ou uma escovinha. Os valores variam conforme as coleções e os fabricantes, mas é possível encontrar opções no mercado a partir de R$ 300 o rolo (10 m x 0,53 cm).

Emborrachados: essa variante tem uma textura levemente “emborrachada” devido à camada de EVA que reveste o papel. Em relação à limpeza, siga as mesmas instruções dadas para os vinílicos. O preço médio do rolo também é de aproximadamente R$ 300.

Vinilizados: por não ter revestimento sobre o papel, a textura é “lisa”, e a durabilidade média varia entre cinco e sete anos – enquanto os demais modelos podem durar mais de dez anos. A limpeza deve ser feita com pano molhado e produto neutro. Os rolos são vendidos a partir de R$ 190.

Reprodução

TNT: a sigla quer dizer “tecido não tecido”. Normalmente importado de países como Inglaterra e Alemanha, o seu diferencial está na possibilidade de ser removido e reinstalado em outro local. Para remover a sujeira, utilize um pano molhado e uma bucha. Os rolos pode ser adquiridos por cerca de R$ 650.

Veludo: a sua principal característica é a textura, que proporciona uma sensação de requinte. Os modelos são encontrados a partir de R$ 1.600 o rolo. Por se tratar de um material diferenciado e sensível, a limpeza deve ser feita somente com aspirador de pó ou espanador.

Palha natural: o papel é confeccionado com fibras naturais de folhas, cascas de árvores e tramas de bambu prensadas. A textura tem estilo rústico, preferido por arquitetos em projetos mais ousados de decoração. Esse modelo tem rolos de medidas únicas (5,5 m x 91 cm), encontrados a partir de R$ 800. Para limpar, indica-se o uso de aspirador de pó ou espanador.

Alto-relevo: esse papel é feito com uma espuma injetável, a qual confere uma textura ondulada e “fofa” ao material. Os rolos custam cerca de R$ 680, e a limpeza deve ser feita da mesma forma que a dos papéis de parede de palha natural e veludo.

Reprodução

3D: podem ser de materiais emborrachados ou vinílicos. Seu grande diferencial está nas estampas, que passam uma sensação de movimento – por exemplo, aqueles com desenhos de pedras parecem “saltar” do papel. O preço médio do rolo é de R$ 600. Quanto à limpeza, basta utilizar aspirador de pó ou espanador.

Mica: esse papel de parede possui pedras micas verdadeiras prensadas em sua superfície; por isso, não devem ser molhados, e a limpeza pede apenas espanador ou aspirador de pó. O rolo pode ser comprado por aproximadamente R$ 1.500.

Dicas 

Para locais que ficam expostos ao sol, os produtos importados resistentes à luz solar são os mais indicados.
Se você tem gatos, evite imprevistos: não escolha modelos emborrachados, com alto-relevo ou de palha natural, pois são mais vulneráveis a arranhões.

Em ambientes de maior movimentação de pessoas, como corredores, escolha cores mais escuras, o que não deixará a sujeira tão evidente.

A aplicação

Reprodução

Se você já escolheu o seu papel de parede preferido, chegou o momento de se preparar para a aplicação. Segundo Geisa, o ideal é deixar esse trabalho para empresas especializadas, que oferecem mão de obra, garantia e colas de qualidade.

“Mas se optar por instalar sozinha, é importante que tenha boas noções de composição para casar as estampas e emendas, aplicar a cola e recortar perfeitamente os pedaços”, explica. Nesses casos, antes de começar o trabalho, certifique-se de que a parede não tem infiltrações, umidade ou trincas, o que pode causar o aparecimento de manchas.

Dica: em paredes com azulejos, é necessária a aplicação de massa corrida antes da colagem do papel. Para superfícies de fórmica, em alguns casos, lixar já é suficiente.

Como combinar

Diante da grande variedade de estampas e cores, tanto em relação aos papéis mais caros quanto aos acessíveis, com bom senso é possível compor uma bela decoração sem gastar muito. Nesse sentido, Camila Klein dá algumas sugestões que podem ser muito úteis.

Nos quartos, prefira tons mais claros, como bege e areia. Eles “aquecem” o ambiente, tornando-o mais acolhedor e aconchegante.

Na sala de jantar, explore as cores mais fortes, como o verde e o café, opções que estão na moda.

Na sala de estar, dê preferência aos tons leves, para não se sobressaírem em relação aos demais objetos da decoração. Em geral, os móveis com estampas e cores fortes combinam com papéis lisos e neutros.

Lembre: assim como as paredes pintadas, você não precisa decorar todo o cômodo. Às vezes, uma ou duas paredes com papel já dão um novo visual ao ambiente.

Remoção

Quando enjoar do papel de parede e decidir tirá-lo, saiba que é mais simples do que a instalação. Porém, isso requer alguns cuidados. Primeiro, encontre uma ponta do papel e puxe-a. “Depois, misture sabão em pó com água e aplique sobre os resíduos de cola. Faça a remoção com a ajuda de uma espátula”, ensina Geisa. (Fonte: Portal Vital / Unilever)

Fonte: Bonde

0 respostas

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *